Histórias da Casa - Walcilene e João Pedro

 

No meado do ano de 2007 fui percebendo que meu filho João Pedro estava ficando diferente, mais cansado, amarelinho e com algumas manchas roxas pelo corpo. Ele era um menino elétrico, alegre, mais alguma coisa estava diferente. Resolvi então marcar uma consulta com o pediatra que o acompanhava, e para o meu desespero as coisas não estavam boas. O exame de sangue mostrou que todas as taxas de defesa dele estavam muito baixas. E logo fomos encaminhados para o Hemorio, hospital que trata doenças do sangue.

No dia seguinte já estávamos lá, e não foi fácil, muita gente na mesma situação que a nossa e o hospital lotado, mas não perdemos a fé e ficamos até o último momento daquele plantão na certeza que iríamos conseguir passar pela triagem, e conseguimos!

A médica que o avaliou foi maravilhosa, e nos orientou sobre tudo o que seria feito e disse que ali começaria uma nova batalha pela vida, e realmente foi um divisor de águas para todos nós. Precisei parar de trabalhar, deixar meu filho mais velho com a avó, e me dediquei dois anos consecutivos na busca do diagnóstico do João Pedro. Ele crescia, fazia exames quase que diariamente, passava por muitos especialistas, mas seu organismo não funcionava, e por isso foram necessário inúmeras  transfusões de hemácias e plaquetas, e em 2010 após biopsia chegou o diagnóstico definitivo, João Pedro tinha AAS, ANEMIA APLÁSTICA SEVERA. Uma doença rara,  adquirida e que fez com que a medula dele ficasse doente, não produzindo as defesas do organismo. E ali no Hemorio  já não tinha mais o que ser feito, e o meu filho foi encaminhado ao CEMO INCA para ser submetido a um TRANSPLANTE DE MEDULA ÓSSEA.

Então partimos para a nossa próxima batalha, jamais perdemos a ESPERANÇA, nada acontece sem a permissão do Criador. Estávamos assustados, mais confiantes! queríamos o nosso filho bem e novamente dentro da nossa casa. Entender os propósitos de DEUS na nossa vida não é coisa fácil, mas saber que não estamos sozinhos faz a caminhada valer a pena.

Fomos super bem acolhidos no CEMO e foi feito a busca pelo doador compatível, e para a nossa surpresa o irmão do João Pedro, Marcelinho que na época tinha apenas 11 anos era 100% compatível, e com isso ganhamos um novo combustível para continuar lutando pela vida do nosso pequeno grande guerreiro. Após todo o processo de  exames para avaliar o doador, ficamos aguardando em casa a vaga para a internação,  foram os 03 meses mais demorados de toda a minha vida. Mais o grande dia chegou e no dia 05 de Outubro de 2010 João Pedro internou, fez  quimioterapia para destruir a medula antiga, e no dia 10 de Outubro recebeu a medula saudável do irmão. Ficamos no isolamento aproximadamente 30 dias aguardando a pega da medula nova, o mundo aqui fora já era um desconhecido, teríamos que aprender tudo de novo, tínhamos  sido avisados que o pós- transplante era muito deliciado e demorado, mas não tínhamos pressa o nosso objetivo era ver o nosso filho saudável e feliz, vivo!

Enfim recebemos a notícia mais esperada, a medula pegou, e iríamos poder sair daquele lugar frio e triste,  com pessoas muito capacitadas, com garra e disposição, e torcendo sempre para que tudo desse certo.

Assim achamos que voltaríamos para nossa casa, para a nossa vida, mas infelizmente ou felizmente ainda não foi dessa vez, pois era preciso está todos os dias bem cedinho no hospital para continuar as medicações venosas e o fortalecimento da medula recebida. E foi aí que o serviço social do CEMO nos encaminhou para CASA RONALD.

Chegamos lá já a noitinha e fomos agraciados com um abraço quente e forte já na recepção nossa querida tia Sara,  e ela nos disse que ali também seria a nossa casa pelo tempo que fosse necessário  e que nada iria nos faltar, teríamos um quarto só nosso, refeição, transporte, voluntários (Anjos de Deus) para nos ajudar em todo momento, e principalmente muito amor.  Aí pensei, esse lugar existe? Sim existe, meu filho iria voltar a ser criança e esquecer por alguns momentos todo sofrimento do hospital.

Não tenho dúvidas que viver esse período na CASA  fez toda a diferença em nossas vidas, e que também colaborou e muito para a nossa vitória.

Nesse meio tempo João Pedro já havia recebido um novo sopro de vida, foi quando descobriu que ali naquele lugar mágico tinha amigos para compartilhar brincadeiras, lanches e a alegria de sonhar. E lá já estava o meu pequeno na brinquedoteca com vários amiguinhos e anjos de Deus (voluntários) supervisionando toda aquela grande bagunça.

Ficamos na Casa por um longo período pós- transplante, e no ano seguinte voltamos pois o João Precisou fazer o reforço da medula, só que dessa fez estávamos fortes, e ainda mais unidos, e tudo correu bem.

Ali fizemos  muitos amigos, ganhei novos filhos e devolvi outros para Deus, a vida é assim... Ganhei colo, mimos e a certeza que a vida só tem sentido quando é compartilhada com pessoas que faz ela acontecer. A Casa Ronald me ensinou muito, e hoje com toda certeza sou uma pessoa muito melhor.

E hoje graças a Deus  João Pedro está com 15 anos, feliz e saudável, seu irmão Marcelinho um lindo homem seguindo a carreira Militar, eu e meu esposo tocando a vida pra frente.

Nada paga tudo o que recebemos da Casa que o amor Construiu, e a única maneira de podermos AGRADECER a tudo e a todos o que recebemos é sendo voluntário do MAC DIA FELIZ, continuando assim transformando BIG MAC em SORRISOS.

Muito Obrigado!

Walcilene F. Rampe - Mãe do JP